Santa Carona

Samurai mártir será beatificado

No dia 22 de janeiro, o Papa Francisco assinou um decreto que reconhece o martírio de Takayama Ukon, um samurai do século XVI que preferiu perder seus bens e ser exilado a renunciar sua fé em Cristo. Em breve, esse servo de Deus será beatificado, entrando assim para a lista de japoneses mártires e tornando-se o primeiro santo samurai.

Ainda em 2013, a Conferência Episcopal Japonesa enviou à Congregação para a Causa dos Santos um documento que solicitava a abertura do processo de beatificação de Takayama, conhecido no Japão como “O Samurai de Cristo”. A petição continha cerca de quatrocentas páginas.

A maior dificuldade estava relacionada com as condições de sua morte. O samurai não foi diretamente assassinado por sua fé, mas veio a falecer devido aos maus tratos que recebeu pelos seus compatriotas que não compartilhavam do seu credo. Cabia a Santa Sé reconhecer o fato como martírio ou não, mas uma vez que o papa Francisco reconheceu sua morte como martírio, agora o processo fluirá tranquilamente.

Não é primeira vez que se tenta beatificar Takayama Ukon, ainda no século XVII, houve um esforço das Filipinas para fazê-lo. Porém, o Japão vivia em um regime de isolamento, e se tornou impossível realizar a investigação. Essa segunda tentativa tinha mais favorecimento e por isso alcançou bom êxito.

Takayama Ukon, ou Hikogoro Shigemoto (como também era conhecido), nasceu em 1552 em Haibara-cho, Nara, no Japão. Seu pai era um daimiô, um senhor de muitas terras que colaborava com o shogun, líder político local. E dele, Takayama recebeu não só às terras e os ensinamentos do bushido, código de conduta samurai, mas a pregação do Evangelho, que havia chegado ao Japão três anos antes de seu nascimento.

Quando seu pai se converte, muitos seguem seu exemplo. O filho não faz diferente, Takayama é batizado com a idade de doze anos, e recebe o nome de Iustus. Os cristãos passam a receber abrigo e proteção em suas terras.

Em 1587, os jesuítas são expulsos do Japão, e em 1614, o cristianismo é oficialmente proibido no Japão. Muitos nobres renunciaram a sua fé para não perder suas terras e títulos, mas Takayama não volta atrás. Ele perde todos seus títulos e suas terras, além de ser castigado severamente.

Junto com um grupo de trezentos batizados, fogem para as filipinas. Ali, o Samurai de Cristo iria morrer depois de quarenta dias, com sessenta e dois anos de idade, vítima dos maus tratos que sofrera durante a perseguição.

É… galera, agora vamos ter um samurai nos altares! Já pararam para pensar no quão épico vai ser isso?

Carlos Neiva

Um lorde inglês preso em um corpo brasileiro. Apaixonado por Literatura e, por isso, graduado em Letras. É seminarista da Diocese de Anápolis. Sente um desejo profundo de dominar o mundo e, enfim, instaurar a era da zoeira.