Santa Carona

O Amor pode estar do seu lado!

Pouco depois de passarem esses dias da Paixão de nosso Senhor, onde tivemos a oportunidade de crescer muito espiritualmente, quero propor uma reflexão sobre algo que muitas vezes passa despercebido por nós: olhar a Paixão de outro ponto de vista. Nesse caso escolhi o ponto de vista de Dimas, ou o “bom ladrão” como comumente é lembrado.

Obviamente não temos nenhum relato da vida desse homem no Evangelho, exceto sua Salvação afirmada pelo próprio Cristo. Nem mesmo o seu nome foi relatado por São Lucas. Ficou tradicionalmente conhecido como Dimas, sendo ainda chamado São Dimas, como hoje o conhecemos.

Ele era um homem já formado e vivido, pois havia sido condenado junto do Mestre e de outro homem. Como vemos uma fé grande e muito bem professada por ele nos últimos momentos de sua vida, podemos concluir que ele em todo o tempo de sua vida terrena jamais havia se encontrado com o Mestre. Afinal, tendo a fé que possuía, se tivesse se encontrado antes com Cristo com certeza não teria sido condenado a uma pena tão severa. Provavelmente sua vida teria sido outra, sem condenação alguma e, quem sabe, como mais um homem a deixar tudo para seguir Jesus.

Dessa maneira o seu primeiro encontro com Cristo deve ter sido ao início da caminhada rumo ao Calvário. Nesse momento, com certeza, ele não teve a oportunidade de trocar uma palavra só com o Senhor. Mas, em contrapartida, ao cruzar o seu olhar com o olhar cativante do Mestre, viu sua vida tomar um novo rumo, apesar de estar aparentemente tão próxima do fim.

Ao encontrar-se ao lado de Cristo e lhe ter fitado os olhos, deve ter visto em um só instante aquilo que tanto procurou por anos numa vida de pecado. Seu coração deve ter batido forte. Não pelo medo da morte, que passou a ser então um bom acessório, pois somente após a sua condenação pôde se encontrar com o verdadeiro Amor. E depois desse momento de êxtase de amor, deve ter-lhe vindo à tona cada pecado, cada instante longe da verdadeira e plena Alegria. Sua conversão foi instantânea e decisiva. O peso da cruz que carregava não era nada se comparada ao privilégio de ter ao seu lado Jesus, carregando outra Cruz muito mais pesada, com o peso de todos os nossos pecados. A vergonha pelo respeito humano da condenação, que antes afligia seu coração, havia se convertido em uma embriaguez de amor.

Seu prêmio foi rápido. Na verdade já estava ao seu lado, só esperando por ele. E ele o viu! As escamas que tapavam seu olhar caíram e ele viu a Salvação tão próxima, tão breve e tão bela. O caminho do Calvário passou muito depressa, nem lhe cansou. Os pregos atravessando suas mãos e pés, roçando nos ossos não incomodavam mais que a vergonha que agora lhe tomava, de ter estado por vários anos próximo da Salvação e ao mesmo tempo tão longe, sem conhecer Aquele que agora estava ao seu lado. Como havia perdido tempo! E agora queria recuperá-lo.

Ansiava pelo momento em que poderia trocar uma palavra com o Verbo Encarnado. Pedir-lhe piedade de sua vida desprezível. E na única oportunidade que teve o fez. E como fez bem! Frente à oportunidade de defender o Mestre dos escárnios que vinham de todos a sua volta ele não perdeu a chance: abriu os lábios e proclamou uma defesa cheia de amor. E ansioso pela recompensa, ousou pedir de Cristo que se lembrasse dele, antes mesmo de pedir perdão por suas falhas. E a resposta lhe saiu melhor do que imaginava. O Paraíso naquele mesmo dia? Sem escalas? “Tarde te amei, Senhor. Tarde te amei!”.

Quando lhe quebraram a perna deve ter dado graças, pois o Paraíso estava ainda mais próximo!

E é essa a recompensa de Cristo a quem se deixa olhar por Ele. Olho no olho, com sinceridade, sem desvios. Ainda que estejamos ao Seu lado, se não permitimos que Ele fite o olhar em nós, seguiremos sempre sem perceber a riqueza que estamos a perder. Ele é sempre capaz de mudar a nossa vida. Ainda que não fale nada, ainda que não dê grandes sinais, mas de modo ordinário, apenas estando ao nosso lado, carregando sua Cruz junto de nós com nossas pequenas cruzes de cada dia. Se deixarmos que Ele esteja ao nosso lado e fizermos d’Ele a razão de nossa existência, a recompensa será imediata: o Paraíso.

Que no dia de hoje possamos abrir nossos olhos para ver o Cristo que está ao nosso lado, de maneira que toda a nossa existência tome um novo sentido. Que as nossas cruzes tenham um novo significado, sobrenatural, unidas a Cruz de Cristo. Que possamos estar sempre prontos e atentos ao sinal do Senhor, enxergando-O em cada pessoa que está ao nosso redor. E que seguindo o exemplo da Virgem Santíssima possamos seguir o Senhor até o fim, seja nos momentos de festa ou nos momentos de Cruz, pois por mais que esteja oculto, o Verdadeiro Amor está sempre ao nosso lado, esperando por nós, vejamos isso ou não. Mas que bom é quando o vemos… E correspondemos!

Hian Gustavo

Graduando em Direito, com mil ideias, algumas dúvidas, mas uma certeza: Jesus Cristo!