Santa Carona

Uma dica infalível para o Sucesso

Obviamente possuímos um desejo grandioso por alcançar o sucesso em nossas vidas. Seja sucesso profissional, pessoal ou espiritual. Mas um medo comum que possuímos é o medo de não termos sucesso em nossos empreendimentos. Quero então passar uma dica preciosa a você, caro leitor, se também deseja obter o verdadeiro e maior Sucesso a que podemos aspirar.

Quero iniciar recordando um primeiro presente que recebi de Cristo em minha vida, e que foi a primeira grande lição que tirei para o resto dessa minha jornada neste mundo.

Quando ainda era uma criancinha lembro-me de ficar em casa brincando enquanto meu pai ia ao trabalho e minha mãe ficava em casa cuidando de mim e de meu irmão, mas ao mesmo tempo ia tocando um empreendimento que ela tinha à época. Graças a Deus possuo uma boa memória, de maneira que posso recordar esses momentos e meditá-los ainda hoje repetidamente como se tivessem acontecido apenas há algumas semanas e tirar grande proveito dessas situações quase duas décadas depois.

Lembro-me da felicidade que era eu ter um lugar de conforto na cama de meus pais, onde todos os meus medos desapareciam. Especialmente o medo dos terríveis e tenebrosos monstros que habitavam embaixo da minha cama. Eu dormia ali mesmo, na cama deles, mas acordava sempre no meu quarto. Os braços que me carregavam eram de tal modo carinhosos que praticamente nunca acordei nesse percurso. Salvo algumas vezes que o Senhor me permitiu acordar para ver que esses braços, que pareciam de anjos, algumas vezes eram de um homem e outras de uma mulher.

Durante o dia podia brincar muito com o meu irmão, e às vezes até brigar um pouco, mas sempre com limites, porque estávamos sob a supervisão amorosa de nossa mãe a cuidar para que não passássemos do limite. Ela nos ensinava a estender a cama e a juntarmos nós dois para dobrar as cobertas, porque eram demasiado grandes para duas crianças entre quatro e sete anos. Fazia o almoço com tanto carinho e perfeição – tal como ainda faz hoje – que possuía um tempero que nem nos grandes restaurantes consegui encontrar. Após o almoço nos levava à escola, seja de mobilete, a pé ou de bicicleta, não importava a forma, só importava que chegássemos ao destino. Se fosse preciso, como aconteceu algumas vezes, descíamos da moto e ajudávamos minha mãe a empurrá-la porque devido ao seu estado era recorrente que desse algum problema. Ao fim da tarde ela fazia o mesmo percurso. Quando chegávamos em casa já corríamos logo para brincar. Mas pouco tempo depois e já era a hora do nosso pai chegar. Então nossa rainha corria e nos avisava que ele estava a chegar e dava preciosas dicas de como recebê-lo afetuosamente, ir correndo ao seu encontro e dar um forte abraço naquele homem que ela nos ensinava que era um herói. Hoje vejo como o heroísmo desses dois é muito maior do que eu imaginava à época. Após isso os dois se abraçavam, davam um carinhoso beijo e seguíamos nossa rotina.

À noite jantávamos e eles, com alguma insistência, me convenciam a tomar banho e a dormir. Mas não sem antes me ensinarem a rezar algumas orações, dirigidas ao Papai do Céu, a Mamãe do Céu, a São José e ao bondoso Anjinho da guarda.

Com essas três pessoas eu tenho dividido toda a minha vida e desde o começo dela eu depositava todo o meu amor e toda a minha confiança neles. Eram meu porto seguro e os meus guias, meus melhores amigos.

Enquanto ia passando o tempo eles me ensinavam os valores do que era certo e o que era errado. Se eu tivesse alguma dúvida podia perguntá-los e eles me sanavam todas. Se eu tinha algum medo me refugiava neles. Se eu me alegrava eles se alegravam comigo, se eu me entristecia eles arrumavam alguma forma de me alegrar. Foi com eles que aprendi tudo o que de bom tenho tentado levar para a minha vida.

Mas, afinal, o que a minha infância tem a ver com a solução de qualquer problema que seja? Na verdade nada, mas, ao mesmo tempo, tudo. Precisamente a minha infância pode ter sido uma infância comum, sem nada de extraordinário, mas eu tive a graça de crescer num lar que teve Cristo por referência, e foi a partir desse Centro que eu pude desenvolver todo o resto de minha existência.

A família é a célula-chave da sociedade. Um ambiente familiar é capaz de forjar as almas mais Santas que podemos conhecer. É recorrente ao ler a vida dos Santos percebermos que eles vinham de um lar que possuía valores e, a partir daí, aprenderam a crescer no Caminho do Céu. Obviamente não estou fadando ao fracasso as pessoas que infelizmente não cresceram num lar Cristão, mas estou dando a “fórmula do sucesso”. Uma família Cristã é uma fôrma capaz de moldar as almas para um Reino que não é deste mundo.

Os grandes inimigos do homem conseguiram compreender que para acabar com o homem é preciso começar pelo lugar de onde vem a nossa maior força, que é o nosso lar, a nossa família. Parece óbvio, mas eles descobriram que a família é a fonte inicial dos maiores dons que podemos alcançar nessa vida. É o lugar de conforto e segurança que temos sempre. É um manancial de amor, fidelidade e carinho, capaz de dar forças para que superemos qualquer desafio. Assim, devemos nos esforçar para termos lares que sejam Santos, famílias que sejam Santas e capazes de ensinar que encontrar Cristo é o verdadeiro Sucesso de nossas vidas.

Por fim, peçamos à Sagrada Família de Nazaré que proteja as nossas famílias e nos dê forças para empreendermos bem as nossas vidas, a fim de que possamos ter em nosso próprio lar um lugar Santo, como foi a casa de Jesus em Nazaré. E, se parece tarde para você, lembro-te dos incontáveis casos em que a Salvação entrou em uma casa por um filho, passou pelo irmão, chegou aos pais e todos puderam então compreender a riqueza de Deus. Nunca será tarde se nosso objetivo sempre for Cristo. Uma vez que nos encontramos com Ele, o natural é que lutemos para que também aqueles que estão mais próximos de nós possam O encontrar. A hora é agora e a chance é sua: esperando o quê para começar? O verdadeiro Sucesso há vinte séculos que espera por você.

Hian Gustavo

Graduando em Direito, com mil ideias, algumas dúvidas, mas uma certeza: Jesus Cristo!