Santa Carona

A aridez espiritual

Em nossa vida espiritual passamos por algumas fases que são importantes para nossa santificação, se soubermos faze-las frutificar, e entre essas fases está a fase das consolações e a fase de aridez espiritual, podendo esta ultima durar pouco ou muito tempo. A fase das consolações é aquela fase em que o individuo se encontra em um grande fervor, faz suas orações com gosto, logo sente que Deus o ouve e o consola. Já a aridez espiritual é uma fase complexa. É uma fase em que há uma espécie de “falta de apetite espiritual”, no qual os momentos de oração se tornam um fardo. É como se a alma realmente estivesse em um deserto, não encontra consolações.

A aridez espiritual acontece em principiantes na vida espiritual, diferentemente da “ noite escura da alma”, que acontece com indivíduos com alto grau de espiritualidade, sendo esta incomum, e a aridez mais comum. Ambas estão em intensidades diferentes. Expondo de forma breve, de acordo com São João da Cruz, nesta noite escura entram as almas no qual Deus as vai tirando do estado de principiantes, ou seja, o estado dos que meditam, e as começa a colocar no lugar dos aproveitados ou proficientes,  que é já dos contemplativos, a fim de que, passando pela noite, cheguem ao estado de perfeitos, o da divina união da alma com Deus.

São Francisco de Sales (1567-1662), ensina que a aridez pode se tornar um trampolim para a santidade ou um peso que nos afunda na infidelidade. Para caminhar com Jesus é preciso ser perseverante. Para estar na presença deste Amor Infinito, requer muitas renúncias.  É preciso ter uma visão sobrenatural, pois em muitas ocasiões essa aridez é permitida pelo próprio Deus para que o indivíduo tenha progresso na vida espiritual.

A aridez espiritual pode ter três causas: física, pessoal e espiritual. A aridez espiritual de causa física nos recorda aquela frase “ Mens sana in corpore sano”, que quer dizer “Uma alma sadia em um corpo sadio”. Atualmente o ser humano está em uma busca desesperada pelo “ter”, e assume uma quantidade enorme de tarefas e missões que acabam o sobrecarregando. Quando se diz “ Mens sana in corpore sano”, não se refere apenas às doenças – que também podem levar a uma aridez espiritual – mas também ao stress – tendo várias origens, como problemas familiares por exemplo- e ao ativismo. No ativismo, como cita o teólogo André Botelho, a pessoa acaba se descentralizando do essencial de sua missão, devido às empolgações imaturas, vaidade pelo sucesso, fuga de si mesmo, centralização de tarefas, que levam à uma falta de zelo pela obra de Deus.

A segunda causa da aridez espiritual pode ser proveniente da própria pessoa, por própria culpa, ou seja, ela ocorre devido importância insuficiente que é dada a santidade, seguido consequentemente pelo modo de se relacionar com Deus, sendo um relacionamento superficial, por troca de favores. Esses fatores contribuem para que a aridez se instale. A tibieza também entra nesta segunda causa, pois leva o indivíduo a uma falta de ardor no servir a Deus, como cita o padre Paulo Ricardo.

A tibieza significa mornidão. A pessoa começa a “relaxar” na vida de oração, permitindo que distrações mundanas e/ou pecaminosas a seduzam. Isso é prova de que o amor próprio estava apenas adormecido, o “homem velho” não havia morrido. Quando este “homem velho” desperta, o indivíduo entra em um período de secura, grandes distrações e a oração torna-se uma tortura , pois o ser humano quer servir a Deus mas não quer pagar o preço de ser de Deus. Neste período, as orações ficam mal feitas, vindo em seguida a cometer uma série de pecados veniais, e com isso o indivíduo vai entrando nessa realidade denominada de tibieza, se tornando uma pessoa morna, devido ao fato da pessoa ainda ser muito concentrada em si mesma, como diz Santa Teresa. Caso esteja passando por um período de aridez, se questione e faça um belo exame de consciência, e tente descobrir se realmente é aridez ou tibieza. Pergunte a si mesmo se você não é aquela pessoa que havia se decidido pelo caminho Deus, mas que começou a negociar com o mundo.

E a terceira causa de aridez espiritual pode ser realmente espiritual, ou seja, ela pode ser proveniente do próprio Deus que a permite ou são tentações do demônio.

“ O pior de tudo seria deixar a oração por causa desses impedimentos. Não nos perturbem os  pensamentos e imaginações, nem façamos caso deles. Se vierem do demônio, desaparecerão só com essa atitude. E se procederem…o remédio é ter paciência e sofrer por amor de Deus.”  Santa Teresa de Jesus.

Nos momentos de aridez espiritual nossa alma está em um campo de batalha, não consegue encontrar consolações.  Muitas vezes Deus permite a aridez espiritual para que se tenha um progresso espiritual, por isso é importante ter uma visão sobrenatural e não uma visão carnal.

“Verdadeiramente, estou longe de ser santa, só isso o prova bem; em vez de me regozijar com a minha aridez, deveria atribuí-la a minha falta de fervor e de fidelidade, deveria ficar aflita por dormir (há sete anos) durante minhas orações e minhas ações de graças, mas não, não me aflijo… penso que as criancinhas agradam tanto seus pais quando dormem como quando estão acordadas, penso que para fazer cirurgias os médicos adormecem seus pacientes. Enfim, penso que: “O Senhor vê nossa fragilidade, que Ele não perde de vista que só somos pó”. Santa Teresinha do Menino Jesus.

É importante adotarmos algumas posturas para passar por essa fase. A primeira seria entender que esta é uma grande oportunidade para amar a Deus, tentar tirar um fruto deste momento. A segunda é a de se humilhar diante de Deus, devemos fazer o que mais desperta o amor. Mesmo que não saibamos o que é amar, é importante saber que o amor não está no maior gosto. Santa Teresa de Jesus, nas Quartas Moradas, ensina que “o primeiro indício para saber se sois humildes é não julgar que mereceis essas mercês e gostos do Senhor… Direis que, sem os procurar, como haveis de alcançar? O melhor é não os procurar, pois a primeira condição para alcança-los é amar a Deus sem interesse algum e a outra razão é que a verdadeira preparação para estes favores é o desejo de padecer e imitar o Senhor, e não aspirar aos gostos divinos, já que, afinal, o ofendemos”.

Para que se cresça no amor, não necessariamente vai crescer nas consolações. Mas afinal de contas o que é amar? Santa Teresa diz:

“O amor está na maior determinação de desejar contentar a Deus e procurar na medida do possível não ofende-lo.”

O amor não é um sentimento, é um ato de vontade. Quando estamos passando pela fase de consolações, o sentimento que temos na verdade, não é amor para com Deus, mas um convite que Deus faz para que nós O amemos. E se caso esse sentimento desaparecer na aridez, devemos ser perseverantes, mesmo estando muito difícil, inclusive nos momentos de oração.

Por fim a terceira postura é a de unir com Jesus no horto da Oliveiras. Pois uma alma que está passando por essa aridez, pode usar como remédio a generosidade, ensina Santo Inácio. Ou seja, aumentar o tempo de oração, e com tempo vai percebendo que você irá se despegar das consolações externas. É bom deixar claro que não existe “remédio certeiro” que vai tirar o indivíduo de uma vez da aridez,  pois cada caso é um caso e Deus tem um desígnio para cada filho.

 

Diante de todas essas colocações é importante saber discernir qual o motivo da aridez, e para isso é importante a ajuda de um diretor espiritual. Santo Inácio ensina também que “na tribulação não deve tomar nenhuma decisão”.  Isso porque em momentos como este corre o risco de tomarmos uma decisão errada, se agirmos sozinhos, pode nos afastar de Deus ao invés de aproximar. O maligno sabe que a aridez espiritual é também um momento frágil, no qual passamos por tribulações, e ele pode usar deste momento de fragilidade para nos confundir.

Não deixemos as orações, as missas, principalmente nesta aridez. Pois não sabemos quando o Amor Infinito vem nos encontrar. Mesmo estando difícil rezar, lembre-se que as orações feitas, mesmo não querendo, é mais agradável a Deus do que outras orações feitas em momentos de consolação. É importante amar a Deus e ser humilde, não se afaste da presença Dele. Permaneça em Sua presença!

 

 

 

Pabline Gasparoti

Goiana, graduada em farmácia, catequista, gosto de uma boa leitura e sou apaixonada por Deus.