Santa Carona

O purgatório na comunhão dos santos

“Lembrai-vos Senhor, de que somos pó, e perecemos como a flor do campo.”
(Ritual das Exéquias)

Hoje, um dia após celebrarmos a Igreja Triunfante, é um dia dedicado para oferecermos com maior afinco, preces e súplicas pela Igreja Padecente. São muitos os que já partiram deste mundo para a eternidade e pela nossa Fé cremos que, as nossas orações são um seguro refrigério para aqueles que em vida souberam amar a Cristo e aos seus irmãos. No fim da vida seremos julgados pelo amor, dizia Santa Teresinha do Menino Jesus. Quão lentos somos nós, os militantes, até agora não compreendemos o peso dos nossos pecados e não amamos a Deus totalmente. A nossa vida clama a justiça de Deus, mas Ele continua a agir com Misericórdia.

A doutrina da Igreja Católica é bem clara, aqueles que morrem distantes de Deus e de sua graça receberão por paga a manifestação da justiça de Deus, ou seja, a condenação eterna. Aos que se esforçaram, foram justos, e morreram na graça de Deus, a estes será concedida a salvação eterna. É claro que só Deus conhece os corações daqueles que Ele mesmo criou. Ao nos criar Deus nos concedeu uma alma imortal, alma esta feita para que um dia pudesse experimentar eternamente da benevolência de Deus: A eternidade feliz! Más nem todos buscam salvar-se.

Hoje a Comemoração dos fiéis defuntos direciona-se a sufragar as almas que aguardam a plena visão de Deus, aqueles que por alguma negligência não reparada na vida terrena tiveram de purificar-se por um tempo determinado por Deus no Purgatório.

É esta a nossa Fé: As almas que morrem unidas ao Senhor, mas que não o amaram com todas as suas forças aqui na terra irão para o Purgatório para purificar-se e de lá sairão por meio das preces e súplicas da Igreja Militante, que somos nós. A participação no Céu está garantida para as almas que lá padecem. As almas do purgatório possuem a plena certeza de verem a Deus face a face e eternamente e com ele estar. As Missas, Orações, Penitências, e tudo aquilo que a Igreja Militante oferece pela Igreja Padecente são refrigérios para as suas almas, e apressam a salvação de Deus para elas. Vale ressaltar que, as almas que sufragarmos do purgatório se tornam intercessoras nossas no céu, pois elas terão acesso direto a Deus.

O purgatório é o alvo desta comemoração, lá é um lugar temporal para pagar as penas não expiadas nesta terra. Ao longo da nossa vida cambaleamos entre a ordem e a desordem. Com nossos pecados afetamos a ordem perfeita sonhada por Deus. É claro que aqueles que buscam de coração sincero os caminhos de penitência, atraem já nesta vida para si a Misericórdia de Cristo.

A Misericórdia de Deus para as almas padecentes chega a elas através das indulgências, um tesouro gratuito da nossa Igreja. As indulgências são a própria Misericórdia de Deus diante das consequências do pecado. Quando pecamos e confessamos Deus perdoa o pecado, mas fica em nós ainda a semente do mal, a mancha. As indulgências expiam estas manchas. As indulgências podem ser aplicadas a nós mesmos ou aos falecidos, nunca para outro ser vivo. São estas indulgências um tesouro vivo e eficaz para as almas. As indulgências são lucradas por aqueles que se encontram em estado de graça, ou seja, não cometeram nenhuma falta grave após a sua última confissão. Nesta semana das almas, aqueles que participam da Missa, Adoram o Senhor, Visitam um cemitério, Meditam a Palavra, Rezam pelo Papa, podem lucrar de uma indulgência plenária a ser oferecida por uma alma, se ela precisar apenas daquela indulgência irá imediatamente para o céu, ou então diminuirá os seus dias no Purgatório, aproximando-se assim cada vez mais da plena visão de Deus.

O purgatório é um lugar de purificação garantido por Deus e provado nas escrituras. No purgatório as almas se reeducam a amarem a Deus com todas as suas forças, a libertarem-se do egoísmo e do orgulho não quebrado em vida e consequentemente amar a Deus plenamente. Este dia é um dia de graças, é um dia em que a terra entra em comunhão com Deus em uma única meta: Salvar as almas!

Quão louvável seria se na vida amassemos a Deus totalmente, fugíssemos do pecado como se foge do fogo. O céu é dom de Deus, nós o negamos livremente. O pecado é algo passageiro, a graça de Deus não passa. É preciso cuidar melhor das nossas almas, que são moradas de Deus, um castelo diz Santa Teresa, onde Deus escolheu para fazer morada. Não a sujemos com o pecado, e se sentimos que ela está suja, cuidemos de limpá-la com Sacramento da Penitência. Tenhamos sempre em mente: Se Deus me chamasse hoje, estaria eu preparado? Se Jesus voltasse hoje, eu estaria preparado?

Nesta vida sofremos, somos tentados, caímos. As almas do purgatório não sofrem mais isto, o demônio lá não tem autoridade, lá é plena certeza do céu. A Liturgia deste dia nos convida a uma maior vigilância, uma fuga dos pecados, até mesmo os irrelevantes. É preciso viver no mundo sem ser mundanos, já dizia um autor. Dediquemos este dia de Finados como o dia do amor, em que nós amamos com as orações e sacrifícios as almas do purgatório, nossas irmãs. É claro que Deus nos quer no céu, mas é preciso um esforço contínuo. Nossa meta é o céu, é estar com todos os santos como celebrávamos ontem. Sonhemos com o céu e tragamos o céu até nós.

Que as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em paz!

(Thomas Éric, seminarista, diocese de Salgueiro PE)

Caroneiros

Aqui é o lugar que aparece o material enviado pelos caroneiros que acompanham e agora estão participando conosco do SC. Participe você também! Envie seu texto para blog.santacarona@gmailcom.