Santa Carona

O Amor é mais forte que a morte

Todos nós carregamos, uns mais e outros menos, um descontentamento, uma contrariedade com a morte. Por mais que temos certeza dela para nós e para os que amamos, queremos que ela se adie cada vez mais. Temos essa grande incompreensão de como lidar com a morte. Uns se resignam, outros se desesperam, outros suportam com paciência. O fato de termos essas reações é o que sustenta nossa afirmação primeira, não sabemos lidar com a morte.

Um casal de jovens namorados podem ver nublados seus projetos para uma vida a dois diante de uma crise ao pensarem no tema da morte. Se vamos morrer, por que constituir família? Por que fazer planos? Por que tentar ser felizes se essa será rompida abruptamente pela morte? Diante deste panorama é nosso dever nos perguntarmos, que sentido tem tudo se não vamos durar?

O que motiva os senhores e senhoras de idades mais avanças a continuar vivendo se estão mais próximos da morte? O que passa em suas cabeças? Será que ainda possuem esperança de realizar grandes feitos? Como organizam em suas cabeças tudo que viveram e parece ter sido um instante? Como a vida é um tema controverso, as pessoas tendem a buscar poder e riquezas, mas em um instante perdem tudo, inclusive a vida.

“A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria, sem sentido algum.” William Shakespeare

Enquanto a vida passa, ela vai alquebrando-nos, tomando nossa beleza, acabando com nossa força, dando-nos rugas, doenças, sofrimentos, desastres, enfim, de que vale viver, se tudo é um prenuncio da morte? De que vale batalhar, crer, esperar, se o fim é um só?

Pois bem, escutem, tudo vale a pena por que maior e mais forte que a morte é o AMOR!

É o amor que faz o casal de jovens planejarem se casar mesmo com dificuldades. O amor abra-lhes o coração de maneira que eles transbordam irrigando a terra com sua fecundidade. Pelo amor são capazes de abrirem-se totalmente à vida, sem métodos ou contracepções. Por amor motivam-se a sacrificar-se um pela felicidade do outro.

“Se penetrássemos o sentido da vida seríamos menos miseráveis.” Florbela Espanca

O amor motiva também os idosos a continuarem dispostos, esperançosos, servis. O amor lhes abre a mente, lhes permitindo sonhar. O amor dá força a eles para suportarem as doenças, fraquezas, dificuldades e querer deixar o que há de melhor dessa vida a todos. É quase que geral, os idosos que estão quase passando dessa vida à outra, tem uma vontade de transmitir apenas as coisas boas da vida aos seus, como que querendo suportar toda adversidade sozinhos, e quem mete esse sentimento neles é o amor.

O que faz-nos doentes e fracos não é a vida. É gastarmos na vida pelos outros e isso faz sentido. Podem vir as rugas, sofrimentos, desastres, nada disso tem grande peso, pois o amor é mais forte.

Um exemplo bem claro disso é um casal do século XIX, um francês e uma russa. Ele educado no meio positivista e ateu e ela numa família judia. Jacques Maritain e Raïssa Maritain se conheceram e eram jovens muito estudiosos, por isso esse tema da vida e da morte era também para eles um assunto que lhes desanimava. Começaram a namorar e partilhar um com o outro essa preocupação. Não chegando a uma resposta fizeram um trato, se em um ano, não encontrassem o sentido da vida eles se suicidariam.

Este trato é bem serio, por isso podemos ver com que honestidade eles encaravam esse assunto. Então seguiram suas vidas, estudando e procurando o sentido da vida. Até que conheceram León Bloy e este lhes apresentou São Tomás de Aquino. O jovem casal então deu como cumprido o trato, acharam uma causa que valha a pena viver, encontraram o sentido da vida. Encontraram-se com o tomismo e assim com Deus.

“Sinal de maturidade humana é aceitar o desafio do sofrimento.“ Jacques Maritain

O amor mudou a realidade desses jovens, assim como mudou a vida de muitas pessoas. Se a vida nos parece sem brilho, certamente é por que não estamos usando o amor como ótica. A vida sem esse filtro é um horror mesmo, por isso não podemos deixar o amor de lado. Talvez a grande realidade não seja material, mas amar.

“Uma corrente mais forte
Que a guerra e que a morte
Nós sabemos, o caminho é o amor”


(Canção Nova Civilização, Focolares)

Finalizo convocando uma verdadeira cruzada contra nós mesmos, contra o egoísmo, contra o desamor! Só viveremos se amarmos, só viveremos se nos gastarmos. E mais uma vez, na verdade nunca é muito, o AMOR é mais forte que a morte!

Thiago Lima

Direto de Vila Boa. Interessado em tudo que o mundo moderno desconhece. Aceito um café. Cum gaudium et Pace!